Harry Connick Jr., finalmente, canta Cole Porter

12/11/2019 | 12:24

Por Emerson Lopes *

Não é preciso datas comemorativas e outras artimanhas de marketing para lançar um disco em tributo a Cole Porter. O compositor norte-americano morreu na década de 1960, mas seu legado será eterno ao lado de outros gênios como Beethoven, Bach, Gershwin, Mozart e Duke Ellington. Mas a pergunta que fica é: você compraria mais um disco para ouvir as mesmas canções que já escutou centenas de vezes com dezenas de intérpretes?

Antes de responder, dê uma chance ao novo disco do cantor Harry Connick Jr., chamado True Love: A Celebration of Cole Porter. As 13 faixas do álbum já podem ser ouvidas de graça no canal oficial do cantor no Youtube, sem precisar estar logado a nada ou lembrar desta ou daquela senha. O ex-futuro Frank Sinatra, pelo menos era isso o que se imaginava quando Connick apareceu no fim da década de 1980, tem hoje 52 anos e uma carreira sólida como arranjador, cantor, pianista, compositor, ator e apresentador.

Após duas décadas, Connick Jr. volta a cantar com uma big band

No decorrer de sua longa carreira, Connick sempre preservou suas raízes de Nova Orleans, cidade onde nasceu. Mas isso não o obrigou a ficar restrito a este universo, o que o levou a trilhar o caminho natural de um cantor de jazz, ou seja, gravar os grandes standards da música norte-americana. Mas, diferentemente de outros intérpretes, além de ser um belíssimo músico, Connick não caiu na armadilha de fazer discos temáticos, com exceção de discos natalinos, muito populares na terra do Tio Sam. Connick sempre flertou com a música pop, mas sempre manteve um pé no jazz. A exceção foi sua incursão pela Broadway, mas isso apenas mostrou o quanto sua inquietação musical o mantém ávido por criar e se envolver em distintos projetos.

Depois de 35 anos de carreira, finalmente, o cantor se rendeu ao apelo de gravar um songbook completo com obras de Cole Porter. O resultado, obviamente, foi um tiro certeiro. Além das famosas composições de Porter, o disco traz o cantor em ótima forma (cantando e tocando), e, em especial, belos arranjos. Felizmente, Connick escolheu fazer um disco com arranjos criados para big band, o que deixou a música de Porter ainda mais vigorosa e atraente. Ao mesmo tempo, não deixou de fora as cordas e aquela atmosfera que lembra as orquestras de Nelson Riddle e Don Costa, mas sem deixá-lo meloso e sonolento. A última  incursão do cantor com big band foi em 1999, no disco Come By Me.

Disco celebra obra riquíssima de Cole Porter

Para os fãs do cantor, poder ouvi-lo novamente acompanhado de uma big band é um alívio e uma deliciosa surpresa após tantos anos longe dos metais. No repertório, “Just One of Those Things”, “In the Still of the Night”, “Begin the Beguine”, “All of You”, “Anything Goes”, “I Love Paris”, entre outras. Além na onipresença da voz do cantor, que também fez a regência da orquestra durante as gravações, o disco abre espaço para belos solos de clarinete e trompete, em “I Love Paris”, e de piano, na versão instrumental de “Begin the Beguine”.

Em uma obra tão vasta, obviamente, grandes clássicos de Porter ficaram de fora, entre eles, “Night and Day”, “I’ve Got You Under My Skin”, “Every Time We Say Goodbye” e “Love for Sale”. Isso, é claro, não compromete o belíssimo trabalho do cantor, por outro lado, em tempos de ouvir música em streaming e todas as plataformas de músicas digitais com milhões de músicas a um toque de distância, fica uma pergunta no ar: Por que continuar a lançar discos e, ainda por cima, com menos de 60 minutos de duração, em um formato que oferece a possibilidade de incluir 79 minutos de música?

O velho Connick Jr. poderia ter sido um pouco mais solidário com seu velho camarada CD, que definha cada vez mais e, em breve, será mais um item de colecionadores compulsivos ávidos pelo disquinho digital que reinou por quase duas décadas, lá no longínquo século XX.

 

*Emerson Lopes    é jornalista, autor do livro     Jazz ao seu alcance, da editora Multifoco, e apresentador do podcast     Jazzy.     Saiba mais sobre o livro     aqui. Ouça o podcast    aqui

NULL

Por Emerson Lopes *

Não é preciso datas comemorativas e outras artimanhas de marketing para lançar um disco em tributo a Cole Porter. O compositor norte-americano morreu na década de 1960, mas seu legado será eterno ao lado de outros gênios como Beethoven, Bach, Gershwin, Mozart e Duke Ellington. Mas a pergunta que fica é: você compraria mais um disco para ouvir as mesmas canções que já escutou centenas de vezes com dezenas de intérpretes?

Antes de responder, dê uma chance ao novo disco do cantor Harry Connick Jr., chamado True Love: A Celebration of Cole Porter. As 13 faixas do álbum já podem ser ouvidas de graça no canal oficial do cantor no Youtube, sem precisar estar logado a nada ou lembrar desta ou daquela senha. O ex-futuro Frank Sinatra, pelo menos era isso o que se imaginava quando Connick apareceu no fim da década de 1980, tem hoje 52 anos e uma carreira sólida como arranjador, cantor, pianista, compositor, ator e apresentador.

Após duas décadas, Connick Jr. volta a cantar com uma big band

No decorrer de sua longa carreira, Connick sempre preservou suas raízes de Nova Orleans, cidade onde nasceu. Mas isso não o obrigou a ficar restrito a este universo, o que o levou a trilhar o caminho natural de um cantor de jazz, ou seja, gravar os grandes standards da música norte-americana. Mas, diferentemente de outros intérpretes, além de ser um belíssimo músico, Connick não caiu na armadilha de fazer discos temáticos, com exceção de discos natalinos, muito populares na terra do Tio Sam. Connick sempre flertou com a música pop, mas sempre manteve um pé no jazz. A exceção foi sua incursão pela Broadway, mas isso apenas mostrou o quanto sua inquietação musical o mantém ávido por criar e se envolver em distintos projetos.

Depois de 35 anos de carreira, finalmente, o cantor se rendeu ao apelo de gravar um songbook completo com obras de Cole Porter. O resultado, obviamente, foi um tiro certeiro. Além das famosas composições de Porter, o disco traz o cantor em ótima forma (cantando e tocando), e, em especial, belos arranjos. Felizmente, Connick escolheu fazer um disco com arranjos criados para big band, o que deixou a música de Porter ainda mais vigorosa e atraente. Ao mesmo tempo, não deixou de fora as cordas e aquela atmosfera que lembra as orquestras de Nelson Riddle e Don Costa, mas sem deixá-lo meloso e sonolento. A última  incursão do cantor com big band foi em 1999, no disco Come By Me.

Disco celebra obra riquíssima de Cole Porter

Para os fãs do cantor, poder ouvi-lo novamente acompanhado de uma big band é um alívio e uma deliciosa surpresa após tantos anos longe dos metais. No repertório, “Just One of Those Things”, “In the Still of the Night”, “Begin the Beguine”, “All of You”, “Anything Goes”, “I Love Paris”, entre outras. Além na onipresença da voz do cantor, que também fez a regência da orquestra durante as gravações, o disco abre espaço para belos solos de clarinete e trompete, em “I Love Paris”, e de piano, na versão instrumental de “Begin the Beguine”.

Em uma obra tão vasta, obviamente, grandes clássicos de Porter ficaram de fora, entre eles, “Night and Day”, “I’ve Got You Under My Skin”, “Every Time We Say Goodbye” e “Love for Sale”. Isso, é claro, não compromete o belíssimo trabalho do cantor, por outro lado, em tempos de ouvir música em streaming e todas as plataformas de músicas digitais com milhões de músicas a um toque de distância, fica uma pergunta no ar: Por que continuar a lançar discos e, ainda por cima, com menos de 60 minutos de duração, em um formato que oferece a possibilidade de incluir 79 minutos de música?

O velho Connick Jr. poderia ter sido um pouco mais solidário com seu velho camarada CD, que definha cada vez mais e, em breve, será mais um item de colecionadores compulsivos ávidos pelo disquinho digital que reinou por quase duas décadas, lá no longínquo século XX.

 

*Emerson Lopes    é jornalista, autor do livro     Jazz ao seu alcance, da editora Multifoco, e apresentador do podcast     Jazzy.     Saiba mais sobre o livro     aqui. Ouça o podcast    aqui

COMPARTILHE