New Orleans Jazz & Heritage Festival: 50 anos e contando

11/09/2019 | 15:16

Por Emerson Lopes*

Talvez não seja o melhor ou o maior, talvez não tenha as melhores atrações ou o público mais animado, mas ninguém coloca em dúvida que o festival New Orleans Jazz & Heritage, que acontece anualmente na cidade norte-americana de Nova Orleans, na Louisiana, é o festival mais eclético de todo planeta. As más línguas vão dizer que a tal diversidade musical é apenas um chamariz para ganhar mais grana e desvirtuar a proposta de um festival genuíno de jazz.

Mas a verdade é que o festival, no decorrer dos anos, foi ficando cada vez maior e mais eclético e isso nunca foi um problema para os seus organizadores, que não titubearam em escalar nomes como Aerosmith, Pearl Jam, Bruce Springsteen, Tom Petty, Aretha Franklin, Eric Clapton, Arcade Fire, Eagles, Robert Plant e Bob Dylan.

Preservation Hall Jazz Band é presença garantida anualmente no festival de Nova Orleans

Em 2019, o festival completou 50 anos e sua principal atração foram os Rolling Stones, que acabaram adiando a apresentação por problemas de saúde do vocalista Mick Jagger. Mas a edição cinquentenária ainda tinha grandes nomes para oferecer, entre eles, Herbie Hancock, Buddy Guy, John Fogerty, Dianna Ross, Alanis Morissette, Santana, Al Green, Cécile McLorin Salvant, Tom Jones e Van Morrison.

Ao mesmo tempo que recebe gigantes do pop, rock e r&b, o festival também mantém vivo sua principal espinha dorsal: a tradição da música de Nova Orleans. Conhecida como o berço do jazz, a cidade respira música 24h por dia, sete dias por semana. O festival é “apenas” o ápice deste caldeirão musical que tem o Mardi Grass como seu cartão-postal. Os desfiles que acontecem pelas ruas da cidade ao som de bandas tocando o jazz do início do século XX são acompanhados por milhares de pessoas.

Na última edição do festival, 12 palcos abrigaram centenas de atrações e a música tradicional da cidade, como sempre, teve seu espaço garantido nas vozes Trombone Shorty, Neville Brothers, Preservation Hall Jazz Band, The Dirty Dozen Brass Band, Keith Frank & the Soileau Zydeco Band e Sunpie & the Louisiana Sunspots.

Allen Toussaint, Cyril Neville e Dr. John: três dos mais icônicos músicos de Nova Orleans

Para festejar os 50 anos do festival, uma caixa com cinco CDs e 50 músicas gravadas ao vivo ao longo dos anos no festival foi lançada pela gravadora Smithsonian Folkways. Os registros históricos trazem nomes que se tornaram a alma e a personificação da música tocada em Nova Orleans. Impossível não lembrar dos embaixadores do festival Allen Toussaint (1938-2015) e Dr. John (1941-2019), além de outras tradicionais atrações como Professor Longhair, The Neville Brothers, Preservation Hall Jazz Band e The Dirty Dozen Brass Band. Todos eles representados na caixa, que ainda inclui um livro com fotos e histórias sobre o festival.

Um dos momentos mais marcantes da seleção é o tema “Louisiana 1927”, interpretado pelo cantor John Boutte. A gravação foi feita em 2006, um ano após a devastação da cidade pelo furação Katrina, que deixou centenas de mortos e milhares de desabrigados, e o trompetista Terence Blanchard, nascido em Nova Orleans e um dos grandes incentivadores da cidade pelo mundo, com a música “A Streetcar Named Desire”.

Capa da caixa de 5 CDs com 50 temas gravados ao vivo no festival

O mosaico musical do festival está representado com a rainha do soul Irma Thomas, nos temas “Old Rugged Cros” e “Ruler of My Heart”, nas bandas cajun The Savoy Family Cajun Band, Bruce Daigrepont e BeauSoleil, nas vozes gospel de Zion Harmonizers e Johnson Extension, no zydeco de Boozoo Chavis e Buckwheat Zydecoe, e nos bluseiros Kenny Neal, Clarence Gatemouth Brown e Sonny Landreth.

Destaque também para os cantores Tommy Ridgley e Deacon John, um dos muitos interpretes que tiveram o privilégio de ser acompanhado pelo saudoso pianista Allen Toussaint. O disco fecha com uma emocionante interpretação de “Amazing Grace/One Love”, com o grupo The Neville Brothers.

As grandes ausências da caixa, que evidentemente priorizou músicos locais, são gravações com os membros do clã Marsalis, capitaneado pelo pai Ellis (piano) e os irmãos Wynton (trompete) e Branford (sax). Quem também faz falta são o pianista Harry Connick Jr., nascido em Nova Orleans, B.B. King, que tocou várias vezes no festival, além do lendário Fats Domino, que participou das primeiras edições do evento.

Fairgrounds, o hipódromo local, abriga os diversos palcos do festival

Para comemorar os 50 anos, a organização do festival criou um poster inspirada na famosa capa do disco Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles, que completou 50 anos de lançamento em 2017. Na versão New Orleans Jazz & Heritage, estão retratados músicos e pessoas que fizeram ou fazem a história do festival neste meio século de existência.

Entre os músicos retratados no ilustração estão Louis Armstrong, Allen Toussaint, Dr. John, Professor Longhair, Harry Connick Jr., além de duas estátuas representando dois dos mais importantes músicos da história de Nova Orleans: Jelly Roll Morton (1890-1941) e Buddy Bolden (1877-1931). Para saber os nomes de todos os músicos, clique aqui.

Ilustração traz figuras icônicas da história do festival de Nova Orleans

Você pode ver algumas apresentações do festival clicando no nome dos seguintes artistas:

Trombone Shorty & Orleans Avenue

Irma Thomas

Deacon John & Allain Toussaint

Fats Domino

Gary Clark Jr.

Eric Clapton

Tedeschi Trucks Band

Lenny Kravitz & Trombone Shorty

Jazz Fest One Minute

*Emerson Lopes    é jornalista, autor do livro     Jazz ao seu alcance, da editora Multifoco, e apresentador do podcast     Jazzy.     Saiba mais sobre o livro     aqui. Ouça o podcast    aqui

 

NULL

Por Emerson Lopes*

Talvez não seja o melhor ou o maior, talvez não tenha as melhores atrações ou o público mais animado, mas ninguém coloca em dúvida que o festival New Orleans Jazz & Heritage, que acontece anualmente na cidade norte-americana de Nova Orleans, na Louisiana, é o festival mais eclético de todo planeta. As más línguas vão dizer que a tal diversidade musical é apenas um chamariz para ganhar mais grana e desvirtuar a proposta de um festival genuíno de jazz.

Mas a verdade é que o festival, no decorrer dos anos, foi ficando cada vez maior e mais eclético e isso nunca foi um problema para os seus organizadores, que não titubearam em escalar nomes como Aerosmith, Pearl Jam, Bruce Springsteen, Tom Petty, Aretha Franklin, Eric Clapton, Arcade Fire, Eagles, Robert Plant e Bob Dylan.

Preservation Hall Jazz Band é presença garantida anualmente no festival de Nova Orleans

Em 2019, o festival completou 50 anos e sua principal atração foram os Rolling Stones, que acabaram adiando a apresentação por problemas de saúde do vocalista Mick Jagger. Mas a edição cinquentenária ainda tinha grandes nomes para oferecer, entre eles, Herbie Hancock, Buddy Guy, John Fogerty, Dianna Ross, Alanis Morissette, Santana, Al Green, Cécile McLorin Salvant, Tom Jones e Van Morrison.

Ao mesmo tempo que recebe gigantes do pop, rock e r&b, o festival também mantém vivo sua principal espinha dorsal: a tradição da música de Nova Orleans. Conhecida como o berço do jazz, a cidade respira música 24h por dia, sete dias por semana. O festival é “apenas” o ápice deste caldeirão musical que tem o Mardi Grass como seu cartão-postal. Os desfiles que acontecem pelas ruas da cidade ao som de bandas tocando o jazz do início do século XX são acompanhados por milhares de pessoas.

Na última edição do festival, 12 palcos abrigaram centenas de atrações e a música tradicional da cidade, como sempre, teve seu espaço garantido nas vozes Trombone Shorty, Neville Brothers, Preservation Hall Jazz Band, The Dirty Dozen Brass Band, Keith Frank & the Soileau Zydeco Band e Sunpie & the Louisiana Sunspots.

Allen Toussaint, Cyril Neville e Dr. John: três dos mais icônicos músicos de Nova Orleans

Para festejar os 50 anos do festival, uma caixa com cinco CDs e 50 músicas gravadas ao vivo ao longo dos anos no festival foi lançada pela gravadora Smithsonian Folkways. Os registros históricos trazem nomes que se tornaram a alma e a personificação da música tocada em Nova Orleans. Impossível não lembrar dos embaixadores do festival Allen Toussaint (1938-2015) e Dr. John (1941-2019), além de outras tradicionais atrações como Professor Longhair, The Neville Brothers, Preservation Hall Jazz Band e The Dirty Dozen Brass Band. Todos eles representados na caixa, que ainda inclui um livro com fotos e histórias sobre o festival.

Um dos momentos mais marcantes da seleção é o tema “Louisiana 1927”, interpretado pelo cantor John Boutte. A gravação foi feita em 2006, um ano após a devastação da cidade pelo furação Katrina, que deixou centenas de mortos e milhares de desabrigados, e o trompetista Terence Blanchard, nascido em Nova Orleans e um dos grandes incentivadores da cidade pelo mundo, com a música “A Streetcar Named Desire”.

Capa da caixa de 5 CDs com 50 temas gravados ao vivo no festival

O mosaico musical do festival está representado com a rainha do soul Irma Thomas, nos temas “Old Rugged Cros” e “Ruler of My Heart”, nas bandas cajun The Savoy Family Cajun Band, Bruce Daigrepont e BeauSoleil, nas vozes gospel de Zion Harmonizers e Johnson Extension, no zydeco de Boozoo Chavis e Buckwheat Zydecoe, e nos bluseiros Kenny Neal, Clarence Gatemouth Brown e Sonny Landreth.

Destaque também para os cantores Tommy Ridgley e Deacon John, um dos muitos interpretes que tiveram o privilégio de ser acompanhado pelo saudoso pianista Allen Toussaint. O disco fecha com uma emocionante interpretação de “Amazing Grace/One Love”, com o grupo The Neville Brothers.

As grandes ausências da caixa, que evidentemente priorizou músicos locais, são gravações com os membros do clã Marsalis, capitaneado pelo pai Ellis (piano) e os irmãos Wynton (trompete) e Branford (sax). Quem também faz falta são o pianista Harry Connick Jr., nascido em Nova Orleans, B.B. King, que tocou várias vezes no festival, além do lendário Fats Domino, que participou das primeiras edições do evento.

Fairgrounds, o hipódromo local, abriga os diversos palcos do festival

Para comemorar os 50 anos, a organização do festival criou um poster inspirada na famosa capa do disco Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles, que completou 50 anos de lançamento em 2017. Na versão New Orleans Jazz & Heritage, estão retratados músicos e pessoas que fizeram ou fazem a história do festival neste meio século de existência.

Entre os músicos retratados no ilustração estão Louis Armstrong, Allen Toussaint, Dr. John, Professor Longhair, Harry Connick Jr., além de duas estátuas representando dois dos mais importantes músicos da história de Nova Orleans: Jelly Roll Morton (1890-1941) e Buddy Bolden (1877-1931). Para saber os nomes de todos os músicos, clique aqui.

Ilustração traz figuras icônicas da história do festival de Nova Orleans

Você pode ver algumas apresentações do festival clicando no nome dos seguintes artistas:

Trombone Shorty & Orleans Avenue

Irma Thomas

Deacon John & Allain Toussaint

Fats Domino

Gary Clark Jr.

Eric Clapton

Tedeschi Trucks Band

Lenny Kravitz & Trombone Shorty

Jazz Fest One Minute

*Emerson Lopes    é jornalista, autor do livro     Jazz ao seu alcance, da editora Multifoco, e apresentador do podcast     Jazzy.     Saiba mais sobre o livro     aqui. Ouça o podcast    aqui

 

COMPARTILHE