Pat Metheny volta orquestrado e ousado em novo álbum

21/02/2020 | 17:12

Por Emerson Lopes *

Quase cinco décadas se passaram desde o primeiro disco lançado pelo guitarrista norte-americano Pat Metheny. Durante todos esses anos, o músico sempre procurou se desafiar musicalmente. Solo, em dueto, em trio, em quarteto, com orquestra, não importa, seus discos nunca passaram desapercebidos.

Hoje, aos 66 anos, Metheny volta à cena com um disco à altura do seu talento e da sua história. From This Place traz o guitarrista escorado pela orquestra de Hollywood Studio, dirigida por Joel McNeely, e arranjos dos experientes pianistas Alan Broadbent e Gil Goldstein, que já trabalhou com Metheny na década de 1990.

Não é a primeira vez que o guitarrista tem uma orquestra o acompanhando, mas esta é sem dúvida sua melhor parceria com este tipo de arranjo. Para ajudá-lo nesta nova empreitada, ele escalou seu trio habitual formado por Antonio Sánchez (bateria), Linda May Han Oh (baixo) e Gwilym Simcock (pianista).

Novo disco traz 10 temas inéditos do guitarrista

Para o fã mais assíduo do guitarrista, será impossível ouvir este disco e não lembrar do álbum Secret Story (1992), considerado por muitos o disco mais ousado de sua carreira. As referências estão em quase todas as músicas. Logo no primeiro tema, “America Undefined”, com 13 minutos de duração, é possível sentir a música tomando forma e expandindo os horizontes sonoros do ouvinte. A orquestra cria uma atmosfera de imensidão e a bateria de Sánchez pulsa com força e precisão.

A fórmula é repetida em “Wide and Far”, desta vez com mais espaço para as frases envolventes da guitarra de Metheny, e “You Are”. Em “Pathmaker”, a orquestra de McNeely está presente, mas com a sutileza necessária para deixar o quarteto fazer seu papel de protagonista. O mesmo acontece com “Sixty-Six”, com a música oferecendo uma montanha russa de sensações e um pouco de nostalgia ao recriar a bateria de uma das mais populares composições de Metheny: “Last Train Home”.

Músico tem quase 50 anos de carreira e ganhou 20 Grammys

Com a presença da orquestra, não poderia faltar temas mais introspectivos e delicados. É isso que o músico traz em “Love May Take Awhile”, na tocante “From This Place”, com a voz de Meshell Ndegeocello, e em “The Past in Us”, com a gaita de Gregoire Maret e a percussão de Luis Conte.

A famosa guitarra sintetizada que tanto marcou a carreira de Metheny aparece em “Same River”, com a sonoridade característica do Pat Metheny Group. Por fim, “Everything Explained”, que não poderia ter um nome mais perfeito para sintetizar a sonoridade do álbum. O tema pulsante traz Metheny tomando a dianteira na sua primeira metade, seguido depois de uma bela participação do pianista Simcock.

Pat Metheny toca no Brasil nos dias 16 e 17 de março, respectivamente, em São Paulo e no Rio de Janeiro, e depois segue com a turnê para o Chile, Peru, México e Cuba. Infelizmente, a orquestra que o acompanha no novo álbum não virá, mas o trio com Sánchez, Simcock e Oh está garantido. Sorte de quem tiver a oportunidade de ver de perto um dos mais interessantes e talentosos músicos do século passado.

 

 

*Emerson Lopes    é jornalista, autor do livro     Jazz ao seu alcance, da editora Multifoco, e apresentador do podcast     Jazzy.     Saiba mais sobre o livro     aqui. Ouça o podcast    aqui

 

NULL

Por Emerson Lopes *

Quase cinco décadas se passaram desde o primeiro disco lançado pelo guitarrista norte-americano Pat Metheny. Durante todos esses anos, o músico sempre procurou se desafiar musicalmente. Solo, em dueto, em trio, em quarteto, com orquestra, não importa, seus discos nunca passaram desapercebidos.

Hoje, aos 66 anos, Metheny volta à cena com um disco à altura do seu talento e da sua história. From This Place traz o guitarrista escorado pela orquestra de Hollywood Studio, dirigida por Joel McNeely, e arranjos dos experientes pianistas Alan Broadbent e Gil Goldstein, que já trabalhou com Metheny na década de 1990.

Não é a primeira vez que o guitarrista tem uma orquestra o acompanhando, mas esta é sem dúvida sua melhor parceria com este tipo de arranjo. Para ajudá-lo nesta nova empreitada, ele escalou seu trio habitual formado por Antonio Sánchez (bateria), Linda May Han Oh (baixo) e Gwilym Simcock (pianista).

Novo disco traz 10 temas inéditos do guitarrista

Para o fã mais assíduo do guitarrista, será impossível ouvir este disco e não lembrar do álbum Secret Story (1992), considerado por muitos o disco mais ousado de sua carreira. As referências estão em quase todas as músicas. Logo no primeiro tema, “America Undefined”, com 13 minutos de duração, é possível sentir a música tomando forma e expandindo os horizontes sonoros do ouvinte. A orquestra cria uma atmosfera de imensidão e a bateria de Sánchez pulsa com força e precisão.

A fórmula é repetida em “Wide and Far”, desta vez com mais espaço para as frases envolventes da guitarra de Metheny, e “You Are”. Em “Pathmaker”, a orquestra de McNeely está presente, mas com a sutileza necessária para deixar o quarteto fazer seu papel de protagonista. O mesmo acontece com “Sixty-Six”, com a música oferecendo uma montanha russa de sensações e um pouco de nostalgia ao recriar a bateria de uma das mais populares composições de Metheny: “Last Train Home”.

Músico tem quase 50 anos de carreira e ganhou 20 Grammys

Com a presença da orquestra, não poderia faltar temas mais introspectivos e delicados. É isso que o músico traz em “Love May Take Awhile”, na tocante “From This Place”, com a voz de Meshell Ndegeocello, e em “The Past in Us”, com a gaita de Gregoire Maret e a percussão de Luis Conte.

A famosa guitarra sintetizada que tanto marcou a carreira de Metheny aparece em “Same River”, com a sonoridade característica do Pat Metheny Group. Por fim, “Everything Explained”, que não poderia ter um nome mais perfeito para sintetizar a sonoridade do álbum. O tema pulsante traz Metheny tomando a dianteira na sua primeira metade, seguido depois de uma bela participação do pianista Simcock.

Pat Metheny toca no Brasil nos dias 16 e 17 de março, respectivamente, em São Paulo e no Rio de Janeiro, e depois segue com a turnê para o Chile, Peru, México e Cuba. Infelizmente, a orquestra que o acompanha no novo álbum não virá, mas o trio com Sánchez, Simcock e Oh está garantido. Sorte de quem tiver a oportunidade de ver de perto um dos mais interessantes e talentosos músicos do século passado.

 

 

*Emerson Lopes    é jornalista, autor do livro     Jazz ao seu alcance, da editora Multifoco, e apresentador do podcast     Jazzy.     Saiba mais sobre o livro     aqui. Ouça o podcast    aqui

 

COMPARTILHE