The Brand New Heavies oferece mais do mesmo

16/09/2019 | 15:52

Por Emerson Lopes *

Tirem as crianças da sala, afaste o sofá, pegue seu par e dance sem parar. É mais ou menos isso o que o ouvinte do novo disco da banda inglesa The Brand New Heavies (TBNH) terá vontade de fazer ao tocarem a primeira faixa “Beautiful”, interpretada pela também britânica Beverley Knight, uma das convidadas de Andrew Levy (baixo) e Simon Bartholomew (guitarra), os cérebros por trás do TBNH.

Difícil acreditar que três décadas se passaram desde o primeiro disco do TBNH, que ao lado de Jamiroquai, US3, Incognito, Count Basic, Young Disciples e Brooklyn Funk Essentials apresentaram ao mundo o que foi rotulado de acid jazz, uma espécie de jazz misturando soul, funk e influências da disco music.

Capa kitsch do novo disco dos britânicos 

O velho som com influências de Chic, Chaka Khan, Issac Hayes e Stevie Wonder estão novamente ao alcance de uma nova geração de ouvintes. Simon e Andrew não perderam a mão e continuam fazendo qualquer plateia dançar o show inteiro. No novo álbum, chamado TBNH, eles escalaram uma constelação de belas vozes para darem alma a suas composições. Duas delas, conhecidas dos antigos fãs: N’Dea Davenport e Siedah Garrett.

As duas cantoras são responsáveis pelos dois álbuns mais conhecidos da banda: Brother Sister (1994) e Shelter (1997), respectivamente interpretados por Davenport e Garrett. Aqui, elas aparecem em cinco das 14 faixas. Por mais que cada uma tenha seu jeito de cantar, fica evidente que Davenport continua sendo a vocalista que melhor se encaixou em toda a história da banda. Escute “Wired Up” e “Getaway” e veja como tudo se encaixa com perfeição.

N’Dea Davenport na época do disco Forward (2013)

Ela também brilha na versão de “These Walls”, originalmente gravada por Kendrick Lamar e produzida por Mark Ronson, que tem no currículo trabalhos com Lady Gaga, Adele, Miley Cyrus e Bruno Mars. Mas é claro que a voz mais singela de Siedah não é desprezada, pelo contrário, ela cai perfeitamente na bela “It’s My Destiny” e na levada soul “Just Believe in You”, que criará um déjà vu delicioso nos quarentões.

A aposta da vez de Andrew e Simon é a cantora Angela Ricci, que será responsável pelos vocais do grupo na turnê que fazem pelo Reino Unido. No disco, ela interpreta “Dance It Out” e “Stupid Love”, duas canções com as marcar registradas do grupo: a linha de baixo marcada de Simon e a guitarra rítmica de Andre. Destaque também para a soul “Get On The Right Side”. No fim deste post, você vê duas interpretações da música “Getaway”, uma com Davenport e outra com Angela.

Formação atual: Simon Bartholomew (baixo), Angela Ricci (voz) e Andrew Levy (guitarra)

Outra novidade é ouvir o grupo com vozes masculinas no comando. Laville interpreta “Dontcha Wanna”, com seu timbre idêntico a Sam Smith, e Jack Knight pega pesado na setentista “Little Dancer”, com influência explícita de Chic, Tramps e, claro, o mestre Isaac Hayes. O disco ainda traz as vozes da experiente cantora norte-americana Angie Stone (Together) e da canadense Honey Larochelle (Heat).

O Brand New Heavies estreou no Brasil no extinto Free Jazz Festival, em 1995, e esteve por aqui pela última vez em 2013. Com o novo álbum, quem sabe eles não resolvem vir matar um pouco da saudade do público e, de quebra, ainda aproveitam o sol que brilha quase que o ano inteiro neste país tropical abaixo da linha do Equador. O convite está feito. Agora só precisamos de um ajudinha do Blue Note São Paulo. O que acham, rapazes?

 

*Emerson Lopes    é jornalista, autor do livro     Jazz ao seu alcance, da editora Multifoco, e apresentador do podcast     Jazzy.     Saiba mais sobre o livro     aqui. Ouça o podcast    aqui

NULL

Por Emerson Lopes *

Tirem as crianças da sala, afaste o sofá, pegue seu par e dance sem parar. É mais ou menos isso o que o ouvinte do novo disco da banda inglesa The Brand New Heavies (TBNH) terá vontade de fazer ao tocarem a primeira faixa “Beautiful”, interpretada pela também britânica Beverley Knight, uma das convidadas de Andrew Levy (baixo) e Simon Bartholomew (guitarra), os cérebros por trás do TBNH.

Difícil acreditar que três décadas se passaram desde o primeiro disco do TBNH, que ao lado de Jamiroquai, US3, Incognito, Count Basic, Young Disciples e Brooklyn Funk Essentials apresentaram ao mundo o que foi rotulado de acid jazz, uma espécie de jazz misturando soul, funk e influências da disco music.

Capa kitsch do novo disco dos britânicos 

O velho som com influências de Chic, Chaka Khan, Issac Hayes e Stevie Wonder estão novamente ao alcance de uma nova geração de ouvintes. Simon e Andrew não perderam a mão e continuam fazendo qualquer plateia dançar o show inteiro. No novo álbum, chamado TBNH, eles escalaram uma constelação de belas vozes para darem alma a suas composições. Duas delas, conhecidas dos antigos fãs: N’Dea Davenport e Siedah Garrett.

As duas cantoras são responsáveis pelos dois álbuns mais conhecidos da banda: Brother Sister (1994) e Shelter (1997), respectivamente interpretados por Davenport e Garrett. Aqui, elas aparecem em cinco das 14 faixas. Por mais que cada uma tenha seu jeito de cantar, fica evidente que Davenport continua sendo a vocalista que melhor se encaixou em toda a história da banda. Escute “Wired Up” e “Getaway” e veja como tudo se encaixa com perfeição.

N’Dea Davenport na época do disco Forward (2013)

Ela também brilha na versão de “These Walls”, originalmente gravada por Kendrick Lamar e produzida por Mark Ronson, que tem no currículo trabalhos com Lady Gaga, Adele, Miley Cyrus e Bruno Mars. Mas é claro que a voz mais singela de Siedah não é desprezada, pelo contrário, ela cai perfeitamente na bela “It’s My Destiny” e na levada soul “Just Believe in You”, que criará um déjà vu delicioso nos quarentões.

A aposta da vez de Andrew e Simon é a cantora Angela Ricci, que será responsável pelos vocais do grupo na turnê que fazem pelo Reino Unido. No disco, ela interpreta “Dance It Out” e “Stupid Love”, duas canções com as marcar registradas do grupo: a linha de baixo marcada de Simon e a guitarra rítmica de Andre. Destaque também para a soul “Get On The Right Side”. No fim deste post, você vê duas interpretações da música “Getaway”, uma com Davenport e outra com Angela.

Formação atual: Simon Bartholomew (baixo), Angela Ricci (voz) e Andrew Levy (guitarra)

Outra novidade é ouvir o grupo com vozes masculinas no comando. Laville interpreta “Dontcha Wanna”, com seu timbre idêntico a Sam Smith, e Jack Knight pega pesado na setentista “Little Dancer”, com influência explícita de Chic, Tramps e, claro, o mestre Isaac Hayes. O disco ainda traz as vozes da experiente cantora norte-americana Angie Stone (Together) e da canadense Honey Larochelle (Heat).

O Brand New Heavies estreou no Brasil no extinto Free Jazz Festival, em 1995, e esteve por aqui pela última vez em 2013. Com o novo álbum, quem sabe eles não resolvem vir matar um pouco da saudade do público e, de quebra, ainda aproveitam o sol que brilha quase que o ano inteiro neste país tropical abaixo da linha do Equador. O convite está feito. Agora só precisamos de um ajudinha do Blue Note São Paulo. O que acham, rapazes?

 

*Emerson Lopes    é jornalista, autor do livro     Jazz ao seu alcance, da editora Multifoco, e apresentador do podcast     Jazzy.     Saiba mais sobre o livro     aqui. Ouça o podcast    aqui

COMPARTILHE